INICIO

Programações para os países de língua Portuguesa

 
   

 

SANTA GIANNA BERETTA MOLLA

(um modelo de doação da própria vida)

Gianna era ardorosa defensora da vida, sobretudo das crianças, nascituras ou já nascidas. Defendia corajosamente o direito de a criança nascer. Dizia: "O médico não se deve intrometer... O direito à vida da criança é igual ao direito à vida da mãe. O médico não pode decidir. É pecado matar no seio materno!.."

A quarta e a quinta gravidez de Gianna terminaram em aborto espontâneo no segundo mês, sem explicação aparente.

Em 1961 Gianna se vê grávida pela sexta vez. Como médica, sabia muito bem as complicações e os riscos da nova gravidez. Mas isto de modo algum diminuiu o amor por este filho, amado e desejado como os outros.

Um enorme tumor tomara conta de seu útero. Havia necessidade de extirpá-lo. A cirurgia proposta para o caso era a histerectomia (remoção do útero). O objetivo da cirurgia não era matar a criança, mas sim retirar o órgão canceroso onde, por acaso, estava a criança. Aliás, esta cirurgia deveria ser feita mesmo se Gianna não estivesse grávida. A morte da criança não era querida como fim nem como meio para salvar a mãe. Era apenas um segundo efeito da cirurgia. Fazer a operação, neste caso, não seria um pecado. Mas Gianna, livre e heroicamente recusou-se. Dizia ela: "a mãe dá a vida pelo filho".

Depois de enormes sofrimentos, no dia 21 de abril de 1962, o cirurgião fez uma cesariana e retirou do ventre de Gianna uma criança de quatro quilos e meio. Era uma menina! Seu pai lhe daria no batismo o nome de Gianna Emanuela. "Gianna" em homenagem à mãe. "Emanuela", que quer dizer "Deus conosco", para louvar a presença de Deus entre os homens.

Gianna tanto pedira, tanto desejara aquela criança para o enriquecimento do seu lar, de sua família... Agora não a pode possuir. Tem que deixá-la... como a árvore que produz o fruto mas não tem o direito de comê-lo, assim esta mãe sabe que não poderá gozar da presença de Emanuela.

Ela revela para sua irmã missionária, que acabara de chegar da longínqua Índia, Irmã Madre Virgínia:

"Finalmente estás aqui! Se soubesses, Ginia, quanto se sofre por ter de morrer quando se deixam os meninos todos pequeninos..."

No dia 25 de abril, Gianna faz a seguinte confidência a seu esposo:

"Pietro, agora estou curada. Pietro, estava já no além e se soubesse o que eu vi... Um dia dir-te-ei. Mas como éramos demasiado felizes, estávamos muito bem, com nossos meninos maravilhosos, cheios de saúde e de graça, com todas as bênçãos do céu, mandaram-me cá abaixo para sofrer ainda, porque não é justo apresentar-nos ao Senhor sem sofrimentos".

"Desde aquele momento - diz Pietro - estou certo, Gianna nunca cessou, nos seus sofrimentos, nas suas agonias, o seu colóquio com o Senhor e a sua comunicação com o Céu. Já não desejava que a acariciasse e a beijasse. Já pertencia ao Céu".

Morreu no dia 28 de abril de 1962, uma semana depois de dar à luz sua última filha.

Em 1972 foi iniciada a causa de beatificação de Gianna Beretta Molla. Em 1980, no dia do aniversário de sua morte, o Arcebispo de Milão decretou a introdução de sua causa.

Em 1992, o Papa João Paulo II reconheceu um milagre acontecido com Lúcia Silva Cirilo em Grajaú - Maranhão - por intercessão de Gianna.

No dia 24 de abril de 1994 o Santo Padre declarou Gianna bem-aventurada.

No dia 4 de outubro de 1997, no 2º Encontro Mundial do Papa com as famílias, Gianna Emanuela, que hoje é médica como a mãe, estava no Rio de Janeiro, no estádio do Maracanã, na presença do Santo Padre e de 200.000 pessoas. Elevou uma oração a sua mãe, a Bem-aventurada Gianna Beretta Molla, agradecendo-lhe por lhe ter dado a vida duas vezes: pela geração e pelo martírio. O momento foi emocionante.

Santa Gianna Molla foi canonizada no dia 16 de Maio de 2004.

PERGUNTAS:

  1. A vida da Bem-aventurada Gianna Beretta Molla é um testemunho vibrante em favor da vida. Soube transmitir a vida, soube amar a vida, soube defender a vida, soube oferecer a vida, soube renunciar à própria vida. Disse Jesus: "Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só. Mas se morrer, produzirá muito fruto" (Jo 12,24). Não há caminho que conduza à vida e que não passe pela morte. Você já decidiu morrer para si mesmo e viver para Deus e o próximo?

  2. Gianna considerava o sofrimento uma condição necessária para nos apresentarmos diante do Senhor. Se o próprio Cristo sofreu, nós, que somos seus discípulos, não podemos recusar a cruz. Temos aceitado com alegria as ocasiões de sofrer todos os dias por Jesus?

  3. Que você teria a dizer às pessoas favoráveis ao aborto, à esterilização, e que acham uma loucura constituir uma família numerosa?

Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis

 

         

Contact webmaster at Dominic@KeysofPeter.org  PO Box 1393 Conyngham PA 18219 USA      (570) 788 5400